“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

04/05/2011

Carta de Jenny Scavinsky: A vida é muito curta, viva com intensidade


Querida Eliana, sim já li "A Mãe" de Gorki, aliás li todos os livros dele, adoro-o, como também a Mayakovsky. Pena foi o seu suicídio, por amor, era um cara alto, muito alto e bonito. Geralmente o russo tem uma bonita voz, e falam como se estivessem cantando. Lembro de uma brasileira da alta roda que foi à Rússia e lá se encantou com eles, foi ela quem disse que o russo falava cantando e quando voltou, internaram a pobre num hospital psiquiátrico e deram sumiço na sua figura, nunca mais ouvi falar dela. Foi no começo da era Jânio Quadros, e dai você sabe o que veio em seguida...


Meu marido, morto de medo, levou-nos para o Ceará e lá começou a minha odisséia, as mulheres não gostavam de mim, por que eu era bonita e casei com o objeto desejado por elas:  o Humberto, o homem mais bonito de lá. Ele era simpatizante do comunismo, esteve na festa em Moscou, em 1958. Se não me engano o primo dele também era comunista, foi preso, ficou num navio no píer de Santos até que parentes dos Alencar mexeram os pauzinhos e liberam-no. Ele foi enviado para Santa Catarina, onde viveu até falecer de problemas urinários. Newton era militar. 

Menina! Naquela época, 1963, Juazeiro parecia a Índia pobre, bem pobre, não tinha água, a água de poço tinha que ser fervida e para beber comprava-se água que vinha de Caldas, município de Barbalhas, ficava a 20 km de Juazeiro.

Eu era a "coisa" muito alta, dizem também que elegante, magra, e só gostava de ficar nas rodinhas dos homens pois, eles tinham conversa mais interessante do que as mulheres, o papo delas era traição de marido, filhos e empregadas, e eu detestava, pois fui secretaria de uma firma norte-americana e quando conheci Humberto estava aprendendo inglês comercial, estava de viagem  marcada em 1960 para ir ao Canadá passar seis meses para aprender o desempenho de uma máquina de extrusão para a feitura de pilhas.

E esse amor tão envolvente me levou de roldão para o casamento que ocorreu no dia 28 de janeiro de 1960 e foi ótimo enquanto durou... e o Canadá ficou no “ora veja”. Talvez um dia eu conto a história desse romance...

Beijos minha querida se cuide você também, a vida é muito curta, passa logo, viva com intensidade. 

Até outra hora, Jenny.

(27/4/20110)


Máximo Gorki (Максим Горький), pseudônimo de Aleksei Maksimovich Peshkov (em russo, Алексей Максимович Пешков) (Nasceu em Nijni Nóvgorod,28 de março de 1868 – Morreu em Moscovo, 18 de junho de 1936), foi um famoso escritor, romancista, dramaturgo, contista e ativista político russo. Gorki foi escritor de escola naturalista que formou uma espécie de ponte entre as gerações de Tchekhov e Tolstoi, e a nova geração de escritores soviéticos.


Vladimir Vladimirovitch Mayakovsky (em russo: Влади́мир Влади́мирович Маяко́вский; Bagdadi, nasceu em 7 de julho (calendário juliano) / 19 de julho (calendário gregoriano) de 1893 – Morreu Moscou, 14 de abril de 1930) foi um poeta, dramaturgo e teórico russo, frequentemente citado como um dos maiores poetas do século XX, bem como "o maior poeta do futurismo". Sua obra, profundamente revolucionária na forma e nas idéias que defendeu, apresenta-se coerente, original, veemente, una. A linguagem que emprega é a do dia a dia, sem nenhuma consideração pela divisão em temas e vocábulos “poéticos” e “não-poéticos”, a par de uma constante elaboração, que vai desde a invenção vocabular até o inusitado arrojo das rimas.



Nenhum comentário: