“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

23/11/2011

A casa nova nos surpreende

"Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros." (Clarice Lispector)


Estou sem internet na casa nova. Fez exato 1 mes, dia 22 passado, que estou me adaptando a um quintal, a uma calçada na porta de casa, aos ruídos que um apartamento não proporcionava, ao silêncio de uma rua residencial quando a noite cai.


Caillou está feliz, mas não dispensa seus passeios na rua de jeito nenhum!


Os gatos estão numa farra à noite!


Dia destes, que fez calorão, amanheceu um monte de mosquitos, daqueles de luz, mortos às patadas pelo quintal...


Nala, que fará 17 anos no próximo dia 2/12, e viveu todos eles num apartamento, está curtindo as bolinhas de ping-pong e brinquedos que espalhei pelo quintal Corre aos pulos atrás delas, é um vai e volta tão feliz! Antes tarde do que nunca, não é Nala?


Cindi, quando saiu ao quintal pela 1ª vez, olhou para o céu e se admirou! Abaixou o corpo, como se o céu fosse lhe cair na cabeça! Ficou um tempo tentando entender o que era aquela imensidão lá em cima, antes vista apenas pelo ângulo de uma janela... foi engraçado ver sua reação!


Pela manhã, todos ficam na janela olhando os pássaros da rua, que é bem tranquila e farta de insetos e formigas para os pombos. Suas cabeças giram de um lado para o outro, em sintonia, ritimadas ao voo dos passarinhos...


Grampola e Docinho já conseguiram passar pela grade e dar uma volta na frente da casa! Danadas! Terei que colocar tela logo, logo!


O Victor Hugo rola feito um croquete na farinha, e fica todo empoeirado... tenho que escová-lo todos os dias.







6 comentários:

Cláudio Gonzalez disse...

Queremos não apenas fotos, mas um convite para um cafezinho e para conhecer a casa nova. E as plantas, como estão se adaptando?

Ada disse...

Ah! Claro que sim! Vamos marcar um café! As plantas estão amando...mais bonitas porque tem sol e chuva. A Primavera encheu-se de botões! Vou te mostrar! Beijos

Rita disse...

Ah Ada, vc se mudou para uma casa normal, q maravilha! É, porque pra nós do interiorrrrr aqui, apartamento é Anormal... rsrsrs.
Fico imaginando os bichinhos encantados com os novos cenários, q legal.
Vou aguardar as fotos. Bjs e sejam muito felizes na nova morada.

Vivi Martins disse...

Ah, Ada! Que bacana!!! É sempre bom mudar... Novos ares, novas energias... E novas experiências para todos!! Felicidades no novo lar! Beijos carinhosos!!!

Rita Rebelo disse...

Ada querida,
Sou sua seguidora e tenho grande afinidade com esse seu mundo especial, da poesia, dos bichinhos e agora de um quintal com terra pra pisar. Quero participar desse café com o Claudio e aí serão bem vindas as comidinhas que ele inventa... pena que mil quilômetros nos separam...
Grande abraço, Parabéns!!
Rita Polli

Ada disse...

Rita, o que são mil quilômetros? Que nada! Quando vier a Sampa, me avise! Minha humilde casinha está aberta em portas e janelas para o cheiro de café ganhar os narizes da vizinhança! E as comidinhas que Claudio vai, com certeza, inventar para a gente salivar.
Te espero! Beijos.