“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

25/12/2011

Tarde natalina e eu

Tarde natalina com cara de ressaca.
Fechou seu tempo, fechou sua cara.
Uma chuvarada anuncia.
Mas nada de ventania,
nem movimentos vãos 
de pó, de folhas, do tempo.
A preguiça é tanta, 
nem as nuvens, nem eu 
decidimos sair do lugar.
Permanecemos redondas,
inertes a flutuar...

(Ada, 25/12/11)

Nenhum comentário: