“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

08/12/2014

Bouganvillea ou Primavera

Sob a luz da rua

Primavera
            [bouganvillea],
dorme á luz da rua.
Fosse eu ficava acordada 
fazendo fotossíntese da minha vidinha.
Contava as primaveras que vivi.
Juntava as flores que pari...
Não sei se ia querer ser cor-de-rosa.
Quem sabe roxa fosse mais feliz?
Dizem que o amor é uma flor roxa
E que nasce no coração do trouxa.
Isso foi outrora, onde inquieta vivi
Agora sigo calma
Sou dona do meu nariz.


(Ada, 8/12/14)

Sob a luz do sol



Nenhum comentário: