“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

13/05/2020

Docinho, mais um amor que partiu

Depois da despedida, bateu 13 horas e foi lamentável voltar para casa com aquele sentimento todo embrulhando tudo...
A vida gritando a morte no meu peito me deixou surda, mudou de cor aquele ar sem cheiros, uma ventania amarelenta fez o sol esmaecer, a poeira turvou meus olhos. Milhares de folhas secas atravessaram a rua vindas da praça. Agitadas passavam por cima da cabeça,  por baixo dos pés, em redemoinhos ritimados e me deixaram tonta... São as folhas mortas do outono dançando sua valsa de despedida.
Um retrato de saudade e solidão ficou pendurado na parede da memória. Mais um amor partiu para bem longe, aqui dentro do meu coração. 💔
Docinho janeiro 2010 🐣 13/5/2020✝️

Nenhum comentário: